O canal para quem respira cliente.

BUUUHHH! O FANTASMA DO CUSTO DE ESTOQUE

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



Custo de Estoque?UAHHHHHHH!


Para quem trabalha com Vendas (como eu), existe um fantasma “apavorante” que anda tirando o sono de muita gente: O terrível e abominável” Custo de Estoques!


 


Aquela enorme dor de cabeça que temos quando sobram produtos no armazém ou prateleiras, mais também conhecido por quebra no capital de giro ou investimento errado.

Traduzindo: Perder de dinheiro!

 


Mas porque isto acontece?


Quase sempre escutamos a mesma desculpa – ERRO NA PREVISÃO DE VENDAS!


Só que previsão de vendas, nasce para ser modificada, ou melhor, necessita ser atualizada constantemente, afinal como dizem os “marketeiros” o mercado é volátil, sobre muitas interferências externas e internas, esta sempre em movimentação, BLA,BLA,BLA,BLA.

E o erro acontece porque não encontramos o tempo certo de atualizar nossas previsões. Ou até porque não estamos utilizando todas as informações necessárias para uma boa analise e previsão.

Normalmente, começamos analisando o histórico de anos anteriores e a tendência apresentada para o futuro. Somamos então as ações e estratégias de crescimento a serem adotadas e seu impacto nas vendas futuras. A movimentação de nossos concorrentes e por fim o comportamento dos consumidores.

 Certo? Falta alguma coisa?


TBC = Tirar a Bunda da Cadeira!

Precisamos definir a periodicidade de re-visitas a esta análise, para acompanharmos se o previsto esta se realizando. Todos os erros acontecem, quando nos esquecemos deste pequeno detalhe.

Lembre de um time de futebol, quando não esta realizando o previsto, o tecnico pode fazer alterações táticas e mudança de peças durante a partida. Você também pode!

Em minha opinião o maior fantasma de quem Vende, não é o custo do estoque, mas sim as PERDAS DE VENDA / OPORTUNIDADE POR FALTA DE PRODUTOS NO MOMENTO ADEQUADO. Saber que podia melhorar seu resultado, pois toda a estrutura estava montada, pessoas treinadas, consumidores ávidos pelos produtos e os braços cruzados por não termos estoque.


O mundo não esta mais para aqueles armazéns abarrotados, como antigamente, mas caminha para uma co-gestão de estoques entre fornecedores e distribuidores, e temos tecnologia que permite uma visão clara e objetiva de estoques e demanda. Tudo é possível com a co-gestão de estoques e demanda em tempo real do distribuidor e do fornecedor, num verdadeiro trabalho em equipe na busca pela eficiência e resultados.


Exemplo: ALGORITIMO DE REPOSIÇÂO DE ESTOQUES – Um exemplo bem simples,

Nos Dois últimos anos a venda do produto X no mês de Março foi de 10.000 unidades, devido à bla, bla, bla, existe uma tendência de crescimento de 50% – Previsão de 15.000 unidades (se não for, mate seu marketeiro), as vendas nos dois últimos meses de 2013 foram maiores 30% em relação a 2012;


Estamos no dia 15 de março, já vendemos 5.000 unidades (50% maior que no mesmo período de 2012), seu estoque é de 5.000 unidades (seu comprador não acreditou no seu marketeiro), só que historicamente 70% de suas vendas foram na segunda quinzena.


Você compra mais unidades ou não para não ter custo de estoque?


Já sei tirei um e coloquei


 


Este risco, nunca pode ser de um lado só, por isso chamamos de co-gestão e parceria entre fornecedor e distribuidor.


Nos próximos posts continuamos esta conversa!


Bem Vindo ao mundo do VMI! 

0 comentário em “BUUUHHH! O FANTASMA DO CUSTO DE ESTOQUE”

  1. paulo.mazzei@terra.com.br'
    Paulo Mazzei de Campos

    Excelente. concordo plenamente com seus comentários, o foco principal da questão é praticar a co-gestão e o trabalho de equipe.
    olhe que esse problema é antigo.mas o caminho é esse porem difícil de praticar pôr questões culturais das empresas ou pela irresistível lei de gerson

  2. paulo.mazzei@terra.com.br'
    Paulo Mazzei de Campos

    Excelente. concordo plenamente com seus comentários, o foco principal da questão é praticar a co-gestão e o trabalho de equipe.
    olhe que esse problema é antigo.mas o caminho é esse porem difícil de praticar pôr questões culturais das empresas ou pela irresistível lei de gerson

  3. Concordo com a gestão compartilhada (distribuidor e fornecedor), inclusive já experimentamos isso. Mas ainda continuamos errando, pois na prática os distribuidores são mais intuitivos ainda, há que se melhorar. Peço que aprofunde no tema parceria fornecedor/distribuidor, tocando em outros assuntos como interesses (convergentes e divergentes), qual o futuro da distribuição num cenário difícil (concorrência autofagista entre distribuidores, e aumento de vendas diretas dos fornecedores). Abraço!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima