O canal para quem respira cliente.

O desafio de liderar a Geração Y

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



Excelente formação acadêmica, fluência em vários idiomas e grande acesso à informação são características típicas dos jovens nascidos entre 1984 e 1991, que fazem parte da chamada Geração Y. No mundo corporativo, eles são representados por universitários ou por recém-formados. Mas como essa geração é vista pelos administradores? É aliada ou adversária? Como é possível lidar com esses jovens, dinâmicos, ambiciosos e sedentos de conhecimento no ambiente corporativo? Essas são algumas das questões e revelações da pesquisa “Uma visão dos líderes sobre a Geração Y”, do Ateliê de Pesquisa Organizacional, realizada entre novembro de 2008 e julho de 2009, com mais de cem gestores de grandes companhias.

 

“O estudo mostra que as empresas têm um grande desafio pela frente na hora de alinhar o trabalho entre as gerações”, afirma Suzy Cortoni, coordenadora da pesquisa e sócia-diretora do Ateliê de Pesquisa Organizacional. “Percebemos que o perfil das gerações (Y, X e Baby Boomers) apesar de opostos são complementares, pois ao juntarmos a maturidade e a experiência dos gestores com a agilidade e a determinação dos jovens temos equipes mais preparadas e engajadas dentro das organizações”, afirma.

 

Um dos aspectos que mais chama a atenção no estudo são as características percebidas na Geração Y pelos gestores. Na avaliação, eles acham que os jovens são ágeis, têm senso de oportunidade, descontração, inteligência, sabem se defender, ou seja, são importantes para trazer vitalidade, ritmo e agilidade às empresas. Por outro lado, são considerados impacientes, inseguros, com vínculos voláteis, exibicionistas e superficiais.

 

“Se a companhia não oferece estímulos na velocidade que essa geração deseja, eles não pensam duas vezes para procurar outra vaga no mercado de trabalho, pois visam cada vez mais suas próprias realizações profissionais”, explica Luis Felipe Cortoni, consultor do Ateliê de Pesquisa Organizacional. “Para uma política bem-sucedida de retenção de talentos, uma das sugestões é fazer com que os jovens se envolvam nos processos de toda a corporação, caso contrário será difícil mantê-los no quadro. Eles são profissionais do mercado e não da empresa”, explica.

 

As conclusões do estudo comprovam essa tese, pois 85% dos gestores afirmam que os profissionais da Geração Y esperam crescer rapidamente na companhia, 66% querem obter satisfação profissional e 51% desejam enfrentar desafios. Outro dado que chama a atenção é que para 79% dos entrevistados esses jovens aspiram ganhar muito dinheiro e 64% acham essa geração menos preocupada e mais descompromissada.

 

“O grande diferencial é que as gerações anteriores (Baby Boomers e X) realizaram transformações políticas, sociais e culturais, enquanto a Y participa e faz a revolução tecnológica”, completa Luís Felipe Cortoni. E isso realmente não é problema para a Geração Y, que age como se o computador fosse uma extensão do cérebro. Para 89% dos gestores, os integrantes de suas equipes nessa faixa etária têm muita habilidade com novas tecnologias e 63% consideram os jovens bem-informados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima