Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

A evolução do papel da mulher no mundo corporativo

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Executivas de grandes empresas debatem a relevância do protagonismo feminino, inclusive para consolidação da cultura cliente

Está cada vez mais clara a via de mão dupla que tem contribuído para a evolução das mulheres enquanto lideranças no mundo corporativo. De um lado, elas estão cada vez mais conscientes sobre a importância de se posicionarem com destemor em eventuais momentos de predominância masculina, além de fazerem a diferença com seus conhecimentos e competências. De outro, as organizações devem se conscientizar sobre a relevância que é, para o negócio e a sociedade, a criação de estruturas que assegurem políticas e pilares de equidade e diversidade. Esses aspectos e os motivos que levam as mulheres a contribuírem para o seu predomínio nas áreas de cultura clientes fizeram parte do debate que reuniu, hoje (03), na sede da Atento, Ana Paula Kagueyama, head of global customer solutions da Paypal, Carolinne Iglesias, diretora de CX Latam do Zé Delivery, Larissa Gios, gerente de marketing da Webmotors, Isabela Cardoso, especialista em CX, Juliana Sandano, superintendente executiva do ciclo de vida do cliente do Banco Original, Suzzy Cipriano, diretora de CX da Vivo, Melina Vidaller, diretora de clientes da CVC Corp, Mirella Marchi, gerente de comunicação e relacionamento da Nissin, Gabriela Bianco, diretora de clientes da Brasilseg e Sarita Besada, diretora de contas globais da Atento Brasil, no Sextou Híbrido especial que marcou a 496ª edição da Série Lives – Entrevista ClienteSA.

Primeira a falar da trajetória profissional, Melina contou que pôde, ao passar por áreas distintas, da financeira ao turismo, descobrir a beleza de ajudar pessoas a realizarem seus sonhos, de um lado, enquanto, de outro, criar recorrência e fidelização para as empresas. Há dois anos na CVC Corp, ela falou um pouco dos desafios enfrentados durante a pandemia e do prazer que sente por ajudar a organização a consolidar uma cultura cliente assentada em muita inteligência de dados e proximidade com os consumidores. Na sequência, Ana Paula relatou os aprendizados adquiridos no segmento, ao passar por pequenas empresas e grandes bancos internacionais, até ser convidada para ajudar a trazer as operações do PayPal ao país. Depois vieram os desafios de liderar os times em 21 países da América Latina e montar 10 áreas no Brasil, além de cumprir missões junto a outras duas organizações do grupo. A executiva afirmou se sentir realizada com as responsabilidades que vem acumulando, incluindo a aplicação de toda sua expertise na liderança em customer experience, social media e outras.

Enquanto Gabriela Bianco, embora com formação em engenharia civil, iniciou carreira dentro da área de telecomunicações, onde ficou por mais de 20 anos, especializando-se, com o passar do tempo, em fundamentar toda e qualquer atividade no conceito de centralidade do cliente. Algo que contribuiu muito para conduzi-la, há cerca de um ano, a assumir a nova diretoria de clientes da Brasilseg. E ressaltou a importância estratégica dessa cultura de colocar o cliente como foco central da tomada de decisões em todas as frentes, destacando o protagonismo feminino nesse tipo de atividade.

Diante de uma indagação surgida – se a missão de cuidar é um atributo inato das mulheres – Larissa, depois de resumir sua trajetória diversificada até chegar a ser uma das lideranças na Webmotors, disse que essa habilidade de se dedicar no cuidado com as pessoas é algo que nasce e vai ainda sendo desenvolvido por elas. “Trata-se de algo positivo que acabamos utilizando favoravelmente junto às equipes e aos clientes, com muita atenção aos detalhes.” Juliana, por sua vez, acrescentou que hoje as mulheres já vão muito além, sendo líderes que seguem à frente tomando decisões, com um perfil mais ousado e agressivo.  Para ela, as lideranças femininas hoje se assentam em todas as mesas de reuniões, sendo que o aspecto de cuidar fica mesmo implícito em todas as frentes de atividades. Ela, que atua há mais de 13 anos no mercado financeiro, colocou relevo no quanto pôde verificar de progresso da mulher como presença marcante nesse segmento e o quanto o banco digital, em sua opinião, tem contribuído também para evolução dos programas de equidade e diversidade nas empresas.

“Hoje podemos tudo!”, celebrou, em complemento, Mirella, ao mencionar a importância da mulher nos cuidados, nas decisões e nas ações assertivas rumo aos objetivos. Com mestrado em Comunicação, ela está há 22 anos na companhia, onde hoje responde pelas áreas de relacionamento com clientes e de comunicação corporativa, destacando a responsabilidade que é cuidar da imagem de uma organização global com espectro muito amplo de consumidores recorrentes.

Os business envolvem gente e o cuidado nasce junto das pessoas que vão gerar os resultados, sublinhou, na sequência, Sarita, da Atento, onde chegou há 15 anos, depois de cinco anos dedicados à IBM, sempre na área de clientes. “Nesta atividade, estamos, de forma ininterrupta, servindo as pessoas, sendo a paixão que me fez ficar na Atento. A importância de nos conectarmos com empresas que tenham os mesmos valores que nós.“ E fez uma recomendação às mulheres, a de não se intimidarem em nenhuma situação, pois ela, por exemplo, pode citar as vezes em que, como única pessoa do sexo feminino presente, participou de reuniões com mais de uma dezena de homens na sala e não se intimidou. Fato que, garantiu, tem feito diferença em sua carreira.

Realidade a que se acostumou também, conforme deixou transparecer ao falar de sua trajetória, a especialista em CX Isabela Cardoso, com carreira que percorreu de tecnologia a consultoria de negócios. Até que, segundo ela, foi “picada pelo bichinho da cultura cliente, da qual jamais se escapa”, e que está utilizando agora em uma nova empreitada de empreendedorismo. Ela ressaltou ainda a relevância que é se criar uma estrutura de valorização da mulher dentro das organizações. “Entretanto, conta muito a forma como cada uma de nós se posiciona, com firmeza e clareza ao mesmo tempo, para conquistar protagonismo.”

Em meio aos depoimentos, as executivas foram questionadas também sobre uma comparação da participação feminina nas empresas no Brasil, em comparação com o que ocorre em outros países, e Suzzy, da Vivo, foi clara: “Acima de qualquer tipo de comparação, importa mais que o assunto seja falado, sempre de forma cada vez mais genuína e transparente”. Segundo descreveu, depois de traçar uma carreira em segmentos de gestão de negócios e atividades financeiras, com características de prevalência masculina na época, ela falou da importância que tem sido o fortalecimento do pilar de diversidade de gênero na companhia onde atua hoje e onde quase um terço do quadro executivo é formado por mulheres.

O debate prosseguiu com análises sobre o equilíbrio que se busca dentro do universo corporativo, unindo as diferenças complementares, e também, em uma avaliação mais geral, sobre políticas de diversidade, incluindo a necessidade de que isso parta sempre da alta direção das companhias. O vídeo com o bate-papo na íntegra está disponível em nosso canal no Youtube, o ClienteSA Play, junto com as outras 495 lives realizadas desde março de 2020. Aproveite para também se inscrever. A Série Lives – Entrevista ClienteSA retorna na segunda-feira (06), recebendo Ariadne Ladeira, head de experiência do cliente/Online to Offline da Mercedes-Benz, que falará da nova jornada do cliente, mais digital e personalizada; na terça, será a vez de Alessandra Mincov, gerente de experiência do cliente do Grupo DPSP (Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo); e, na quinta, Carmela Borst, fundadora e CEO da SoulCode Academy.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima