O canal para quem respira cliente.

Preferências do consumidor do Sudeste

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



Segundo dados divulgados pela Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) e coletados pelo Ibope, o setor varejista nacional encerrou o ano de 2010 com um faturamento total de R$ 638 bilhões, um crescimento nominal de 13,5% em relação a 2009. Exclui-se deste valor a venda originada pelos combustíveis, setor automotivo e material de construção.


A venda realizada em shoppings nacionais representa cerca de 16% do volume registrado em todo o varejo brasileiro, resultando em um montante de aproximadamente R$ 99 bilhões, obtidos a partir da performance de seu mix de lojas, instalações adequadas, entre outras particularidades.


Deste valor, a região Sudeste é responsável pelo maior fluxo de vendas do País: pouco mais de R$ 50,6 bilhões de vendas, sendo que o segmento de eletrodomésticos figura no topo da lista entre as preferências do consumidor, gerando 26% do faturamento da região, um montante de aproximadamente R$ 13 bilhões.


Vestuário ocupa a segunda colocação na preferência de consumo dos habitantes do Sudeste, obtendo R$ 10,5 bilhões, 21% do faturamento total da região. Em seguida vem o segmento de alimentação, com resultado médio de R$ 9,3 bilhões, ou 18% da representatividade total do varejo do Sudeste.


Na sequência do ranking, os setores de produtos para casa e higiene respondem por 9% do consumo regional, gerando um montante superior a R$ 4,7 bilhões cada um. Os calçados também figuram na preferência dos consumidores do Sudeste do País, ocupando a sexta posição, movimentando pouco mais de R$ 3,9 bilhões, ou 8% do faturamento total.


Os artigos de uso pessoal chegam na sétima colocação no ranking, responsáveis por um volume de consumo aproximado de R$ 2,9 bilhões, cerca de 6% do faturamento. Por fim, encerrando a lista, os livros representam 3% do consumo no varejo da região Sudeste, tendo fechado 2010 responsável pela geração de pouco mais de R$ 1,3 bilhão ao setor.



 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima