A ouvidoria da Copel, reativada por vontade política

0
1

Evoluindo a relação com o cliente. Esse é o slogan utilizado pela Ouvidoria da Companhia Paranaense de Energia, a Copel, que opera da geração, transmissão, distribuição e comercialização. O case, apresentado com exclusividade no evento de Relacionamento com Clientes, da Grube Editorial (revista ClienteSA e portal Callcenter.inf.br), pelo responsável pela área, Adelcio Luiz Volpi, demonstra a necessidade da “vontade política” para a constituição da área, como reconhece o executivo. Instituída em 1994, foi extinta pouco depois, com manutenção unicamente do serviço de atendimento às reclamações e vinculada à área de marketing, com seu diretor respondendo pelo serviço e, conseqüentemente, sem estrutura formal. Ela foi recriada em agosto de 2003.

“Ela passou a operar de forma independente, com foco de atendimento aos clientes internos e externos, e sendo vinculada diretamente à Presidência, através de uma superintendência. Esse caminho contribuiu para eliminar problemas hierárquicos e contornar política organizacional”, comenta. Adelcio defende a tese de que a atuação “profícua da Ouvidoria” pressupõe o amplo e irrestrito acesso a todas as unidades da empresa, sendo, por essa razão, seu vínculo funcional estabelecido junto à alta direção. Por suas ações, ela está vinculada ao planejamento empresarial da companhia.


 


A estratégia da operação, hoje, passa pela tese de empresa única, com a centralização na ouvidoria do canal de recebimento e respostas a reclamações, sugestões, esclarecimentos e denúncias externas e internas, demonstrando unidade no processo de comunicação da companhia com seu público interno e externo – hoje são 3,3 milhões de consumidores e 6.500 funcionários. A estrutura atual está interligada à área de gestão de processos, gestão administrativa financeira, sistemas de informação, núcleo de atendimento externo e é um canal de comunicação confidencial. E seu foco é representar o cidadão junto à empresa, com estrutura acessível e preparada para dar atenção às demandas oriundas de seus públicos diversos.


 


Entre as atribuições da Ouvidoria estão o relacionamento com clientes, cidadãos e público interno, com instituições públicas e privadas –  Ouvidoria da Aneel, Ouvidoria Geral do Estado, e outros órgãos vinculados a defesa do cidadão e de consumidores – e internamente sugerir medidas para a melhoria dos produtos e serviços, a partir da análise de críticas e sugestões recebidas. Uma das práticas da Ouvidoria é o respeito à ética. Adelcio explica que, sendo o conteúdo das demandas do atendimento de cunho crítico, questionador e de denúncias, é fundamental que sua atuação (comportamento dos empregados e o trâmite dos processos) seja conduzida de forma reservada, íntegra e com qualidade. Assim, as demandas são tratadas em âmbito restrito pela Ouvidoria e pela área envolvida.


 


Associada à ética está a qualidade do atendimento. Ele comenta por exemplo que uma vez que as demandas da Ouvidoria referem-se a situações-problema, relativas a produtos e/ou serviços, ela deve primar pela excelência no atendimento. “É preciso buscar o uso de tecnologias modernas e apropriadas, dimensionar adequadamente e reciclar constantemente sua equipe de colaboradores, como forma indispensável ao êxito de sua atuação”, diz. A motivação, de acordo com ele, passa pela consciência de cidadania, compromisso com a sociedade, excelência no atendimento ao cliente e governança corporativa.


 


Um exemplo típico de mudança interna demonstrado por Adelcio foi no Manual de Instruções Comerciais. A re-ligação do serviço sempre foi vinculado à mudança de titularidade, em caso de débito pendente. A questão acabou resolvida com a alteração no próprio Manual, definindo que a unidade consumidora é apenas o local da prestação de serviços e que os débitos são vinculados ao consumidor. Este é um exemplo que o executivo utiliza para justificar a necessidade de independência para atender as demandas (reclamações, sugestões) que muitas vezes acabam recaindo sobre alinhamento de processos e mudanças organizacionais. “Sempre analisamos os casos e, havendo necessidade, elaboramos estudos e propomos mudanças”, explica.


 


Futuro – As ações futuras, de acordo com Adelcio, passam por várias estratégias. A primeira delas é a consolidação da cultura empresarial pró Ouvidoria. Depois, a valorização da imagem da companhia pela adoção de boas práticas norteadas pelos princípios da transparência, eqüidade, prestação de contas e responsabilidade e benefícios a acionistas, clientes, fornecedores, governo, sociedade e principalmente ao quadro de colaboradores. Ele aposta que as boas práticas e resultados podem chegar a itens como a valorização das ações da companhia no mercado interno e externo, ampliação das ações sociais, acesso facilitado a recursos financeiros para novos investimentos e maior segurança aos acionistas nos investimentos realizados.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO segredo está dentro de casa
Próximo artigoComunicação diferenciada