Evolução dos serviços

0
3




 

Resultado de uma fusão, a CPM Braxis há um ano vem oferecendo serviço de BPO para crédito imobiliário, meios de pagamento e correspondente bancário ao mercado e já pensa em ampliar o portfólio. “Pretendemos evoluir os serviços para crédito em geral, Financial & Administration, Procurement (ciclo de compras) e documentos (GED)”, afirma Daniel Stein, gerente sênior e responsável pela área de BPO da empresa.

 

Stein acredita que o BPO ainda não é adotado em larga escala no Brasil, por isso cita a efetivação do processo pelas grandes empresas e bancos como uma tendência. “A cada dia, as restrições das empresas em todos os segmentos estão ficando mais suaves e desaparecendo, já que as estratégias de BPO têm como objetivo a redução de custos, implantações mais rápidas, foco no core business e evitar custos”, define.

 

ClienteSA – Como pode ser definido o conceito do BPO?

Daniel Stein: A melhor definição é agregar alto valor ao negócio dos nossos clientes por meio da combinação de pessoas, processos, máquinas, softwares e fluxos de negócios, visando otimizar custos e tempos, melhorando a qualidade percebida.

 

ClienteSA – Como surgiu a necessidade de incluir o BPO no seu portfólio?

Stein: A CPM Braxis oferece BPO ao mercado há, pelo menos, um ano. A necessidade veio por meio dos próprios clientes, solicitando projetos e cotações nas áreas de outsourcing de linhas de negócio internas, evitando assim de investir em TI, pessoas, processos e infraestrutura.

 

ClienteSA – Ainda há restrições ou as empresas hoje já estão preparadas para adoção de uma estratégia de BPO?

Stein: A cada dia, as restrições das empresas em todos os segmentos estão ficando mais suaves e desaparecendo, já que elas têm como principal objetivo a redução de custos, implantações mais rápidas, foco no core business, evitar investimentos por causa de flutuações de mercado e evitar custos fixos. Nossa expectativa é que, para os próximos anos, o mercado de BPO cresça mais que o dobro do que o Produto Interno Bruto brasileiro, por volta de 20%.

 

ClienteSA – Qual é a estratégia de adoção de BPO para as empresas obterem melhores resultados?

Stein: A estratégia passa, inicialmente, pela identificação do melhor parceiro para o negócio. Ou seja, empresas que possam oferecer competências necessárias para a realização do outsourcing dos processos que tenha a melhor relação custo/benefício. Para isso, é preciso avaliar as empresas que tenham conhecimento do negócio do cliente, experiência na gestão e na consultoria, além de uma equipe que domine tudo isso.

 

ClienteSA – Quais são os resultados obtidos nas empresas que apostam no BPO?

Stein: Consideramos que os principais resultados obtidos com a implantação do BPO é a redução de custos, implantações mais rápidas, foco no core business, evitar investimentos por causa de flutuações de mercado e evitar custos fixos.

 

ClienteSA – Quais serão as grandes tendências da estratégia do BPO?

Stein: Atualmente, no Brasil o BPO ainda não é adotado em larga escala. Por isso, podemos citar como tendência a efetivação do uso dos processos de BPO pelas grandes empresas e bancos, por exemplo.

 

ClienteSA – Quais são as novidades previstas para o mercado?

Stein: As novidades no nosso caso passam pela adoção de ferramentas e processos automatizados e inteligentes que possam reduzir os tempos de contratação e gestão de crédito em mais de 70%.