Com as bases prontas!

0
14

Sem grandes mudanças, mas reforçando a estratégia do bom atendimento que vem dando certo. É com essa estratégia que a Wittel espera manter em 2013 o crescimento registrado nos últimos anos. O diretor superintendente, Carlos Louro, destaca, por exemplo, que a empresa pretende continuar o processo de consolidação como consultoria e integradora de plataformas de colaboração e relacionamento que entrega o que oferta. “Estamos entre poucas empresas que têm este perfil, e nos diferenciamos dos grandes concorrentes pelo nosso comprometimento e exclusividade na atuação. Queremos reforçar essa visão que os clientes têm de nossa empresa, e para isso, será necessário muito trabalho”, esclarece.
Dentro desse planejamento, a previsão da Wittel é de crescer 20% esse ano. “Acreditamos que estamos preparados. Mantivemos todo investimento em treinamento e certificações em 2012 e não temos limitações para atingir nosso objetivo”, comenta Louro. Entre as ações previstas para atingir o resultado está a inauguração, ainda no primeiro trimestre, de um novo andar no escritório de São Paulo, que permitirá expandir com tranqüilidade, segundo o diretor superintendente.
Em relação às ofertas de soluções, a aposta está nas que entraram recentemente no portfólio, como soluções de armazenamento de dados, virtualização de ambientes de trabalho, análise e inteligência de negócios, além de humanização e apoio à interação com o cliente. “Estamos sempre atentos às tecnologias que podem atender às necessidade dos clientes relacionadas com a nossa oferta”, explica. As soluções vão ao encontro das tendências enxergadas pelo executivo para 2013. Ele aposta no uso crescente de todos os dados dos clientes de forma analítica e inteligente. “A utilização de plataformas de business intelligence associadas à análise estruturada dos dados do perfil de cada cliente e do relacionamento deles com as empresas deve contribuir para a efetiva melhora na qualidade do atendimento, e ainda, auxiliar na identificação de falhas de processos que precisam ser revistos”, completa.
Outra tendência, apontada por Louro, será a utilização de plataformas inteligentes de apoio, que utilizam informações armazenadas e mesmo colhidas durante uma interação para “sugerir” ao agente de atendimento que oferta fazer para fidelizar um cliente, ou fazer um upgrade, por exemplo. “Também será mais frequente a utilização de plataformas de autoatendimento com algoritmos sofisticados, utilização de voz natural e integração com as mais diversas plataformas”, acrescenta. Por fim, ele inclui na lista de tendência a implantação de plataformas de colaboração, que permitem a intervenção de especialistas que não podem estar dedicados o tempo todo ao atendimento.