O desafio de desenvolver os líderes do Século XXI

0
5

A sobrevivência das empresas e organizações hoje depende, e muito, da capacidade de se identificar e desenvolver os profissionais com alto potencial de crescimento, para que estes sejam os gestores e líderes do século XXI.
Estes profissionais devem ser capazes de lidar com mudanças e de correr riscos, assumindo os novos projetos e desafios, e ser hábeis para aplicarem imediatamente suas novas experiências. Esta habilidade está diretamente ligada à capacidade de “aprender a aprender”, ou seja, de estar aberto para a quebra de paradigmas e de crenças limitantes.
Portanto, as organizações devem buscar outros métodos de seleção e de desenvolvimento para seus executivos, onde processos individuais e customizados dividem espaço com aqueles processos tradicionais de avaliação de desempenho.
Segundo o Princípio Pareto – o Princípio 20/80, que afirma que 20% de suas prioridades trarão 80% de seus resultados quando seu tempo, energia, dinheiro e desenvolvimento forem investidos nestes 20%. Ou seja, enfatiza que quando se trata de liderança, 20% dos executivos tomarão 80% das decisões e são estes profissionais que devem ser identificados, reconhecidos e estimulados a operar em toda a sua capacidade e potencial.
Em seguida, depois de serem identificados os 20%, a organização precisa conhecêlos mais profunda e intimamente, visando avaliar suas características, valores, crenças e metas individuais, para que se possam integrar estes mesmos fatores pessoais às metas, crenças e valores da organização, estimulando os indivíduos e times a sentirem-se atraídos pelo desenvolvimento e crescimento de suas carreiras. Com isso, o nível de eficiência e dos resultados se elevarão, o que fará com que a organização retenha seus líderes e tenha sempre gestores eficientes batendo à sua porta.
O papel da organização atual é de estimular seus gestores e gerentes de linha a receber e oferecer coaching, obtendo o feedback necessário para o aprendizado, além de apontar os resultados obtidos e esperados dentro da empresa.
Segundo o grupo de estudo da London Business School, a organização deve oferecer a seus executivos de alto potencial a oportunidade de aprendizado e de elevar seus padrões fora do local de trabalho, com o objetivo de estimular diálogos sobre temas pessoais, técnico-operacionais e liderança. Auxiliandoos no preparo para novas funções ou novos desaf ios, bem como desenvolver o autoconhecimento. Este aprendizado fora da organização pode ser obtido através de coaching, mentoring e treinamentos em liderança.
Para que as maiores corporações do mundo possam crescer fortes e durar mais do que uma ou duas décadas, é necessário estimular a parceria e o comprometimento em co-criar uma visão clara e positiva do futuro e conscientizar nossos gestores e líderes sobre o grande impacto que suas decisões e escolhas causam na organização, no meio ambiente, nas pessoas e principalmente nas gerações que estão por vir.
Daniel Zetune é formado em Comunicação e Artes no Grossmont College – San Diego, Califórnia. Especializou-se em Marketing e Mídia pela San Diego State University, tendo concluído também o Busines Leadership Program na mesma Universidade. Atualmente é consultor e “coach” em desenvolvimento humano, pela empresa Daniel Zetune Desenvolvimento Humano e diretor da Zii Comunicação, além de autor do livro Expandindo sua criatividade.